Avançar para o conteúdo principal

Adopção

(Sim, adopção com P. Desprezo o acordo ortográfico o suficiente para só o adoPtar quando me obrigarem)!

Sempre quis ter mais do que um filho, mas a partir do momento em que estive doente, esta opção foi sendo posta de parte. Foi desde essa altura que comecei a ponderar adoptar uma criança. 
Estou convicta que conseguiria amar um filho sem que ele fosse meu biologicamente, no entanto não excluo a hipótese de estar errada...

Para mim, a adopção é juntar dois problemas e resolvê-los em simultâneo. É dar uma família a uma criança que não a tem (ou tem-na completamente desestruturada) e dar um filho a uma família que o deseje. 

Por mais incrível que pareça, há imensa gente que não deseja verdadeiramente os filhos (não só quando estão na fase de gravidez indesejada, mas também depois de nascerem) e é por estas e por outras que eu sou uma acérrima defensora da IVG -Interrupção Voluntária da Gravidez. Quem não quer ter filhos, tem todo o direito de não os ter e tem a obrigação de impedir que eles nasçam para sofrer. Resumindo: se não os querem, não os tenham! (Os melhores pais são aqueles, que sabem, logo à partida, que o melhor é não serem pais). 
Agora, terem filhos, fingirem que são muito bons pais (ou nem sequer fingirem) e depois tratarem-nos mal ou simplesmente não tratarem deles, para mim, é mil vezes pior do que abortarem!

Os elementos de grupos antiaborto que não me venham com histórias que é pior interromper uma gravidez de uma criança que não é desejada do que pô-la no mundo para ter uma vida de merda (desculpem a palavra, mas não consigo arranjar outra que descreva tão bem a vida destas crianças)! E tudo se cria, o tanas! Não se criam filhos que não se querem, apenas se deixa que sobrevivam e se tornem pessoas amarguradas. Ter um filho para isto, mais vale não o ter! Além de o mundo não precisar de mais gente amargurada, não é justo dar-se à luz uma criança que à partida já é uma sofredora! E acreditem que não há perigo do aborto se vulgarizar, porque ninguém (por pior que seja) faz abortos por desporto! 

A adopção é uma solução para estes casos, mas não deve ser considerada a solução destes casos, porque o melhor é estas crianças nem sequer nascerem. 

Estou a parecer-vos muito dura, insensível e fria? Mas não estou a ser, antes pelo contrário, eu estou é farta de ver crianças a sofrerem pela maldade, incompetência e/ou irresponsabilidade dos pais!

Se a adopção puder proteger os filhos destes pais que não souberam, quiseram ou puderam evitar que nascessem e lhes der outros que os amem incondicionalmente, então, os pais que não desejam os filhos, só têm mesmo é que os deixar voar para um ninho melhor! Se não o fizerem estão a repetir o mesmo erro vezes sem conta e além de serem maus pais, passam a ser também BURROS!!!

Comentários

  1. Concordo com praticamente tudo, com um pequeno ajuste... sou a favor da Contracepção antes de qualquer IVG! Porque acredito que muitas mulheres não fazem abortos de ânimo leve, mas acredito que muitas fazem filhos com uma leveza que assusta...

    ResponderEliminar
  2. Naná
    Eu também sou a favor da contracepção em primeiro lugar, mas aqui falo apenas a partir do momento em que os filhos já estão feitos!
    Não há dúvida de que contracepção é a melhor maneira de evitar o nascimento de crianças que não são desejadas.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Será que quem é contra o aborto já pensou que a maior parte das mulheres que o faz sofre...sofre e muito porque não o faz de ânimo leve (há excepções eu sei),fica condenada a uma "pena perpétua",durante toda a sua vida vai pensar no "assunto" muitas vezes e, não pensa com alívio, pensa com dúvidas e com dor...
    Adoptar ou não é uma solução a tomar, seja ela qual for é preciso ter muita coragem para seguir com ela em frente.
    Na minha já longa vida conheço vários casos de adopção, uns verdadeiros sucessos, outros nem tanto...casos dramáticos mesmo, embora o amor esteja presente.
    De certa forma acontece o mesmo com os filhos biológicos.
    Beijo meu!

    ResponderEliminar
  4. Já fiz uma reportagem sobre a adopção e acho que é uma opção muito bonita.

    ResponderEliminar
  5. Concordo plenamente com o que escreveste e também sou a favor da IVG pois acho que ninguem faz um aborto só para ver como é.
    Adoptar é também um acto (com c pois detesto o AO) coragem e de grande generosidade, não deve ser fácil nem para um lado, nem para outro mas deve ser muito gratificante. Eu se um dia quiser outro filho, não me importva nada que fosse adoptado, tambem era capaz de amar da mesma maneira mesmo que não fosse biológico.

    ResponderEliminar
  6. tb gostava mt de adoptar uma criança...acho que a adaptação pode demorar um pouco mas penso que depois é bastante gratificante..e pais são aqueles k dao carinho, e amor...
    bjinho..:)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …