Avançar para o conteúdo principal

Abraços

Imagem retirada da Internet
Chamem-me fria, insensível e o que quiserem, mas não gosto que me abracem! 

Detesto que, pessoas que não me são muito íntimas, me abracem... Fico sem jeito, com vontade de me soltar e de desatar a fugir... Para mim, um abraço tem que vir do fundo do coração e só vem daí, se houver por lá um sentimento muito grande. 

Adoro o aconchego de um abraço profundo das pessoas muito, mas mesmo muito próximas. Desses sim, gosto! Gosto até de sentir que me estou a fundir no outro...
Dos outros, de ocasião, de encenação, de tentativa de aproximação forçada, detesto! Podem achar-me esquisitinha à vontade!
Também não sou grande apreciadora de muitos beijos, excepção feita (claro!) a quem gosto muito... Confesso, que quando defrontada com certas pessoas, até os beijos sociais me fazem uma certa confusão. Devo ter um espírito nórdico, pois ficava-me bem pelo aperto de mão!

Os mais analíticos de vós devem estar, neste momento, a pensar "esta rapariga deve ter um trauma qualquer, possivelmente afectivo ou sexual, para ser assim..."
Lamento desiludi-los, mas não tenho (pelo menos que eu dê por ele)...

Gosto de guardar os beijos e abraços para momentos e pessoas especiais, só isso! A proximidade a pessoas que não me são íntimas oprime-me. Sinto que estão a invadir o meu espaço e o espaço que reservo a quem me é muito querido.

Se isto faz de mim uma esquisitinha, então é isso mesmo que sou... uma esquisitinha!

Comentários

  1. eu tbém assim, beijinhos e abracinhos só ao meu marido e á minhas filhotas. Tbém sou um esquisita.

    Maggie

    ResponderEliminar
  2. às vezes o difícil é assumir essa esquisitice, e então a gente deixa-se ir na onda e acaba por vulgarizar aquilo que devia ser especial...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…