Avançar para o conteúdo principal

Abraços

Imagem retirada da Internet
Chamem-me fria, insensível e o que quiserem, mas não gosto que me abracem! 

Detesto que, pessoas que não me são muito íntimas, me abracem... Fico sem jeito, com vontade de me soltar e de desatar a fugir... Para mim, um abraço tem que vir do fundo do coração e só vem daí, se houver por lá um sentimento muito grande. 

Adoro o aconchego de um abraço profundo das pessoas muito, mas mesmo muito próximas. Desses sim, gosto! Gosto até de sentir que me estou a fundir no outro...
Dos outros, de ocasião, de encenação, de tentativa de aproximação forçada, detesto! Podem achar-me esquisitinha à vontade!
Também não sou grande apreciadora de muitos beijos, excepção feita (claro!) a quem gosto muito... Confesso, que quando defrontada com certas pessoas, até os beijos sociais me fazem uma certa confusão. Devo ter um espírito nórdico, pois ficava-me bem pelo aperto de mão!

Os mais analíticos de vós devem estar, neste momento, a pensar "esta rapariga deve ter um trauma qualquer, possivelmente afectivo ou sexual, para ser assim..."
Lamento desiludi-los, mas não tenho (pelo menos que eu dê por ele)...

Gosto de guardar os beijos e abraços para momentos e pessoas especiais, só isso! A proximidade a pessoas que não me são íntimas oprime-me. Sinto que estão a invadir o meu espaço e o espaço que reservo a quem me é muito querido.

Se isto faz de mim uma esquisitinha, então é isso mesmo que sou... uma esquisitinha!

Comentários

  1. eu tbém assim, beijinhos e abracinhos só ao meu marido e á minhas filhotas. Tbém sou um esquisita.

    Maggie

    ResponderEliminar
  2. às vezes o difícil é assumir essa esquisitice, e então a gente deixa-se ir na onda e acaba por vulgarizar aquilo que devia ser especial...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Grito

Há meses que não escrevo uma palavra. Quase como se estivesse de abstinência ou a fazer uma cura de desintoxicação.

Às vezes tenho ressacas. Dói-me o corpo e os dedos, sinto a cabeça cheia de palavras e frases, numa urgência de saírem por mim afora. O peito aperta-se-me e sinto-me prestes a explodir. Mas, depois, nada. Segue-se um vazio imenso, como se estivesse prestes a gritar: enchesse o peito de ar, abrisse a boca e dela apenas saísse silêncio. Um grito mudo. Um grito que nunca chega a sê-lo. E como que para me inebriar, afundo-me nos livros dos outros, nas palavras dos outros. À espera de ali encontrar as minhas. As minhas palavras que sucumbem ao vazio, que se calam.

Tenho saciado a fome de palavras, devorando livros, uns atrás dos outros. Como o alcoólico que bebe água a fingir que é vinho ou o fumador que masca pastilhas para distrair o desejo do cigarro, eu alimento-me de livros, enganando a vontade de escrever.

Caminho para a recuperação devagarinho. Este texto pode ser o in…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…