Avançar para o conteúdo principal

Um Pouco de Hipoterapia


Não vou falar de hipoterapia de uma forma científica, primeiro porque não tenho um conhecimento assim tão aprofundado sobre a questão para que me possa atrever a ir por esse caminho, segundo porque seria maçador para a maioria de vocês.

Assim, venho falar-vos de uma hipoterapia a tender para a equitação terapêutica, mais centrada no meu conhecimento do cavalo do que nas necessidades da pessoa com deficiência. 

Pelo meu conhecimento do animal em causa, posso dizer que o cavalo é caracterizado por ser um animal dócil, de grande porte (que impõe respeito e algum medo salutar), com andamentos reguláveis que proporcionam movimentos tridimensionais a quem o monta.

A docilidade do cavalo facilita a aproximação do cavaleiro ao animal, enquanto o porte altivo impede o excesso de confiança e potencia uma atitude de sobreaviso.

Os andamentos do cavalo são o passo (movimento lento a quatro tempos), o trote (movimento intermédio a dois tempos) e o galope (movimento rápido a três tempos). Cada um destes três andamentos podem ser regulados na sua intensidade e permitem estimular várias áreas do cérebro e proporcionar uma melhor coordenação motora ao cavaleiro.
O estímulo das áreas do cérebro afectadas, tanto no caso dos portadores de autismo como nos de doença mental, tem apresentado resultados muito encorajadores, o que tem tornado a hipoterapia num método terapêutico em franca expansão.

A hipoterapia, propriamente dita, é realizada na presença de um equitador e de um terapeuta. Já na equitação terapêutica o equitador e o terapeuta podem estar acompanhados de educadores ou psicólogos.
A principal diferença entre elas reside no público a que são destinadas. Enquanto a hipoterapia se destina a pessoas com deficiência, a equitação terapêutica dedica-se a tratar necessidades educacionais, cognitivas ou psicológicas.

Mas não é só o acto de montar a cavalo que oferece estímulos positivos ao cavaleiro, o convívio com o animal é também extremamente benéfico, pois promove um relacionamento, que não sendo de igual para igual, permite a aquisição de competências tão importantes como a responsabilidade, a concentração e o cuidado, ao mesmo tempo que é uma experiência gratificante e divertida.

O meu conhecimento e gosto por este animal, impelem-me a aconselhar-vos a todos, sem excepção, que não prescindam de experimentar um primeiro contacto com ele.
Acreditem que depois de o experimentarem não vão querer outra coisa!

Comentários

  1. uma vez, com a eguita, eu estava em cima dela e tu a dizeres-me para bater com os pés, para ela andar.é assim, que se faz e tu estavas-me a ensinar.Mas ela não andava, nem um milímetro, por mais que eu repetisse essa coisa certa.De repente, vi o joão da jesus lá ao fundo, e imaginei-me um cowboy, que vê os índios lá ao fundo.Disse á eguita, c´mon!e dei um impulso com o corpo prá frente, bati os pés no dorso dela, e num instante, o filme era real, a eguita cavalgava comigo em cima.è por isto, que eu adoro cavalos.

    ResponderEliminar
  2. Já li imenso sobre hipoterapia, e segundo as estatisticas faz mesmo milagres.
    Obrigada, assim fiquei a saber mais.
    bj**

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…