Avançar para o conteúdo principal

Nós, as Loiras

Se há coisa que aprecio é tomarem-me por estrangeira, quando visito um monumento em Lisboa ou quando vou a um qualquer estabelecimento comercial no Algarve.  

Se me mantenho em silêncio, posso ouvir tudo o que pensam realmente de mim, pois dizem-nos à boca cheia para se vangloriarem da sua (suposta) superioridade. É um privilégio, acreditem! As segundas intenções ao abordarem-nos, ficam escancaradas, esparramadas nas palavras que proferem. Depois, adoro mostrar-lhes que sou portuguesa e que entendi o que disseram e, para isso, basta-me proferir uma única palavra em português.
Ficam completamente desconcertados, encavacados e até corados!

Maldade minha? Talvez ...

Mas ser-se loira, em Portugal, não tem só vantagens ... até tem mais desvantagens! As anedotas de loiras, que fazem questão de nos contar, até são a parte mais divertida da coisa, pois algumas são bem engraçadas!

Muitas vezes, perguntam-me "és loira verdadeira ou pintada?", com a intenção de me catalogarem num determinado estádio de burrice (como se isso fizesse uma grande diferença), a que eu respondo "as duas!". Sei que as suas mentes iluminadas ficam um pouco decepcionadas, pois estão habituados a que as loiras pintadas não o admitam e porque assim fica mais difícil colocarem-me um rótulo. Quando estão acompanhados de uma boa dose de crueldade, ainda se saem com um "vê-se logo" (como se ser as duas significasse ser burra ao quadrado).

Julgarem-me burra não me faz, sequer, ficar perto da tristeza. Sinceramente, não me rala nada ... Mas tomarem-me como incompetente, confesso que me chateia! Posso só ter dois neurónios, mas eles dão-se suficientemente bem para que eu não me torne uma incompetente.

Detesto aquele cavalheirismo estúpido, quando vêem uma mulher (o que piora quando é loira) a estacionar um carro, de se porem a dar-nos indicações tipo arrumador de carros: "destroce, destroce ... agora venha para a frente ... pode vir mais, venha, venha ... ainda tem muito espaço". Será que eles pensam mesmo que não vemos o que estamos a fazer? É que eles normalmente não são loiros ...

Ou quando levamos o carro à inspecção e quase nos fazem um desenho do nosso carro para explicarem onde devemos mexer para ligar as luzes ou o limpa-pára-brisas. Hello!!!! Eu já conduzo este carro há algum tempinho para saber onde mexer!

Se temos um furo, param (muito simpaticamente) para nos ajudar, mas tentam sempre manter-nos longe, não vamos nós tentar sabotar a sua obra de arte!

Amigos, nunca ouviram dizer que uma mulher independentemente da cor do cabelo (pintado ou não) consegue fazer mais coisas em simultâneo do que um homem?

Esta capacidade (comprovada cientificamente), deve permitir que não sejamos assim tão incompetentes quando executamos uma tarefa isoladamente, ou não? Não sei ... Sou loira!

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…