Avançar para o conteúdo principal

Nós, as Loiras

Se há coisa que aprecio é tomarem-me por estrangeira, quando visito um monumento em Lisboa ou quando vou a um qualquer estabelecimento comercial no Algarve.  

Se me mantenho em silêncio, posso ouvir tudo o que pensam realmente de mim, pois dizem-nos à boca cheia para se vangloriarem da sua (suposta) superioridade. É um privilégio, acreditem! As segundas intenções ao abordarem-nos, ficam escancaradas, esparramadas nas palavras que proferem. Depois, adoro mostrar-lhes que sou portuguesa e que entendi o que disseram e, para isso, basta-me proferir uma única palavra em português.
Ficam completamente desconcertados, encavacados e até corados!

Maldade minha? Talvez ...

Mas ser-se loira, em Portugal, não tem só vantagens ... até tem mais desvantagens! As anedotas de loiras, que fazem questão de nos contar, até são a parte mais divertida da coisa, pois algumas são bem engraçadas!

Muitas vezes, perguntam-me "és loira verdadeira ou pintada?", com a intenção de me catalogarem num determinado estádio de burrice (como se isso fizesse uma grande diferença), a que eu respondo "as duas!". Sei que as suas mentes iluminadas ficam um pouco decepcionadas, pois estão habituados a que as loiras pintadas não o admitam e porque assim fica mais difícil colocarem-me um rótulo. Quando estão acompanhados de uma boa dose de crueldade, ainda se saem com um "vê-se logo" (como se ser as duas significasse ser burra ao quadrado).

Julgarem-me burra não me faz, sequer, ficar perto da tristeza. Sinceramente, não me rala nada ... Mas tomarem-me como incompetente, confesso que me chateia! Posso só ter dois neurónios, mas eles dão-se suficientemente bem para que eu não me torne uma incompetente.

Detesto aquele cavalheirismo estúpido, quando vêem uma mulher (o que piora quando é loira) a estacionar um carro, de se porem a dar-nos indicações tipo arrumador de carros: "destroce, destroce ... agora venha para a frente ... pode vir mais, venha, venha ... ainda tem muito espaço". Será que eles pensam mesmo que não vemos o que estamos a fazer? É que eles normalmente não são loiros ...

Ou quando levamos o carro à inspecção e quase nos fazem um desenho do nosso carro para explicarem onde devemos mexer para ligar as luzes ou o limpa-pára-brisas. Hello!!!! Eu já conduzo este carro há algum tempinho para saber onde mexer!

Se temos um furo, param (muito simpaticamente) para nos ajudar, mas tentam sempre manter-nos longe, não vamos nós tentar sabotar a sua obra de arte!

Amigos, nunca ouviram dizer que uma mulher independentemente da cor do cabelo (pintado ou não) consegue fazer mais coisas em simultâneo do que um homem?

Esta capacidade (comprovada cientificamente), deve permitir que não sejamos assim tão incompetentes quando executamos uma tarefa isoladamente, ou não? Não sei ... Sou loira!

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Parabéns ao Blogue!

Este blogue fez dois anos, no sábado passado, mas, para variar, esqueci-me.  Bad girl, bad bad girl!
Parabéns atrasados a ele e a mim (que sou uma atrasada nestas coisas, e noutras...).