Avançar para o conteúdo principal

Ignorância

A ignorância é um mal maior do que a sida, o cancro, ou outra doença qualquer que há-de vir ...
A ignorância é um bicho que se instala no cérebro, reproduz-se, alimenta-se da massa cinzenta do hospedeiro e impede a entrada de qualquer coisa que não seja mais ignorância ...

- A ignorância é um mal do povo! - dirão alguns. 

Não é só um mal do povo é um mal do ser humano, mesmo do mais letrado, instruído, informado ou culto, que peca tantas vezes por ser portador do maldito parasita. 

Por vezes, a ignorância está apenas intrínseca no desconhecimento do próximo, nas vivências que se ignoram ou na história que não se presenciou. E aí, julga-se sem dó nem piedade ... Julgam-se os actos e as palavras, sem se saber o que realmente se está a julgar ... Esta ignorância é a mais mortífera, não só para os seres circundantes, mas também, e especialmente, para quem a transporta. 

É esta, a dos cultos, a mais cruel, pois possui laivos de superioridade que são arremessados com a intenção de aniquilar quem crêem ser-lhes inferior. 
E, no entanto, o dito inferior acaba por não estar tão cego pela ignorância quanto ele, porque, não só vê o que ele desconhece como também vê que ele desconhece ...

Este agente patogénico só pode ser exterminado através da tolerância, mas esta não abunda por aí e não há receita médica que garanta o seu fornecimento a quem tanto dela necessita. 

A compreensão ajuda a amenizar os sintomas, porém não é suficiente para acabar com a patologia. 

E o bicho continua lá, adormecido, à espera de uma oportunidade para voltar a ingerir os cacos cinzentos que restam de um cérebro infectado... Ao mais pequeno deslize na toma da medicação, ele ataca de novo e devora os restos que sobraram do seu último manjar, contagiando através do ar quem o respirar. Uma epidemia torna-se iminente ... O mal espalha-se, os cérebros corroídos multiplicam-se e a compreensão morre, acabando de vez com a possibilidade de recuperação dos enfermos.

No entanto, alguns seres, apesar da ignorância, transbordam felicidade e deixam a dúvida se não é aí que reside a cura para tamanha maleita ... 

Comentários

  1. Ignorância? ou convencimento de que se é mais inteligente que os outros?

    ResponderEliminar
  2. Felina
    O que tento dizer é que a ignorância em certas pessoas (especialmente nas mais instruídas)traz "o convencimento de que se é mais inteligente que os outros" atrelado! E esta presunção é, de certa forma, uma prova da sua própria ignorância. (Espero ter-me feito entender!)
    :)))

    ResponderEliminar
  3. Há quem seja ignorânte porque quer, por opção ou por comodidade.
    Bj**

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…