Avançar para o conteúdo principal

Homens


Que me perdoem os (poucos) homens que se enquadram neste perfil, mas que apesar disso são meus amigos. Não pretendo com isto ofender-vos, nem a vocês nem a ninguém, mas estou a ficar velha e, por esse motivo, há coisas para as quais já não tenho grande pachorra... 

Homens que só falam de futebol, mulheres, carros e (muito) pouco mais, dão cabo da minha (pouca) paciência em três tempos (basta-lhes tocar num destes temas e os meus ouvidos bloqueiam instantaneamente).

Desculpem-me, mas a vida do Cristiano Ronaldo não me interessa nada! Se jogou bem ou mal, se vai casar ou não, se disse isto ou aquilo, é-me igual ao litro! 
Nem as más-criações do Mourinho me fazem qualquer mossa... Se falou alto, levantou o braço ao árbitro, ou lhe deu uma murraça, é-me totalmente indiferente...
Não tenho curiosidade em saber quanto ganham, nem quantas casas compraram ...
Se o campeonato está a correr bem ao Benfica ou se o Sporting jogou mal são temas que não me despertam grande interesse...

Lamento desiludi-los, mas quando começam a falar de mulheres são igualmente aborrecidos... Discutem se as mamas são de silicone ou verdadeiras, se o cabelo é pintado, se é boa na cama... (o que é que interessam, realmente, esses pormenores?)

E os carros... Expliquem-me por favor, como é que contribuem as jantes de liga leve para a minha felicidade, ou a cilindrada do carro, ou outra porcariazinha qualquer do dito veículo...


O pior é que "o (muito) pouco mais" que este tipo de homens fala é igual aos assuntos preferidos de muitas mulheres e que a mim me enfadam particularmente....

A depilação, os cremes para as rugas (para o corpo, para a unha do dedo mindinho do pé esquerdo), ou as roupas compradas em determinada loja não são assuntos que me façam saltar de entusiasmo! Se já dificilmente os discuto nas reuniões de gajas, a expansão destes temas ao universo masculino, está a dar cabo de mim, até porque a maioria dos homens tem muito mais pêlo para tirar e uma maior área por m2 para por cremes e vestir...



Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…