Avançar para o conteúdo principal

"Gatossoa"


Como já disse anteriormente, temos um gato em casa. Tal como os restantes membros desta família, o nosso gato não é um gato normal. Ele pensa que é uma pessoa e eu começo a duvidar se ele não estará certo...

O felino mais novo cá de casa (porque o mais velho sou eu, que sou Gato no signo chinês) adora comida de gente, olha-nos como se percebesse perfeitamente do que estamos a falar e comporta-se como um menino mimado quando não lhe damos atenção...

Tenho-me visto, literalmente, às aranhas com ele, pois inferniza-nos a vida de tal maneira que nos tira do sério em milésimas de segundo. Se está descontente com alguma coisa, desata a fazer asneiras compulsivamente, umas atrás das outras e sem nos dar tempo de nos recompormos da anterior. 

Ele é de tal maneira inteligente, que quando pensamos que ele finalmente decidiu seguir o caminho do menino bem-comportado, nos dá a volta com uma pinta incrível e recomeça uma secção de asneiras inesperadas. 

Estou naquele ponto de desespero em que já perguntei a todos os veterinários conhecidos e desconhecidos e a todos os empregados das lojas de animais o que devia fazer para ele atinar, sem, no entanto receber uma resposta que resolvesse a questão. 

O meu último acto de desespero foi comprar um livro sobre o comportamento felino, que se chama Detective de Gatos, cujos conselhos estou a seguir religiosamente. Tenho duas casas de banho para o menino (enquanto nós, que somos três, temos uma e dividimo-la entre nós); escondo a comida dele em vários sítios diferentes, para que o menino não se entedie e se entretenha a procurar a comida (simulando o acto de caçar da vida selvagem); tenho dezenas de brinquedos de gato espalhados pelo chão e tenho que esconder qualquer prato com comida no microondas ou no forno, cada vez que saio da cozinha.

Depois desta trabalheira toda, se ele não muda, já não sei o que lhe fazer... Ainda por cima, o pessoal cá de casa está sempre a agoirar e a dizer "achas mesmo que isso vai fazê-lo mudar? Este gato já não muda, vais ver!".
Se todo o meu trabalho e empenho não servir de nada, juro que levo o gato ao psicólogo e aproveito para me tratar também, pois sei que no final, eu não vou estar muito melhor do que ele. 

Parece um anjinho, não parece?

Comentários

  1. O que adorei este post. Lindo o teu gato e com uma personalidade bem forte, talvez tenha saído a ti :) e adorei a frase "como os restantes membros desta família, o nosso gato não é um gato normal". Sabes? eu também acho que a minha familia não é normal, ainda bem que não temos gato, porque senão tería de gastar dinheiro em psicólogos e os tempos agora de crise não o permitem :)
    Beijo e boa terça.

    ResponderEliminar
  2. E porque não o aceitas como é? pela foto parece novinho, é traquinas como qualquer criança e olha que há crianças terriveis, com a idade ele acalma, passei mesma experiência com uma canina, ja fiquei várias vezes sem o jantar, ela engolia tudo o que via, ainda hoje é desobediente mas já não faz estragos, há animais mais independentes que outros

    paciência e beijinho

    ResponderEliminar
  3. Felina,
    Eu aceito-o como é, mas não posso permitir que faça xi-xi pela casa toda (apesar de já estar castrado), que me parta loiça, porque a atira para o chão, que ataque o meu filho ou que me morda as pernas...
    O que tento fazer é perceber o que o faz sentir mal e dar-lhe a segurança necessária para que ele se sinta bem e deixe de fazer estas coisas.
    Não o quero mudar, apenas quero que não torne a nossa vida num inferno!

    E o problema dele (se é que eu estou a conseguir entendê-lo) não é ser independente, mas o contrário, ele é demasiado dependente de mim e tem ciúmes do pessoal cá de casa, quer a minha atenção só para ele, por isso faz tanta asneira.

    Espero que ele seja como a tua e acabe por acalmar com a idade!;)


    Beijinhos

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Grito

Há meses que não escrevo uma palavra. Quase como se estivesse de abstinência ou a fazer uma cura de desintoxicação.

Às vezes tenho ressacas. Dói-me o corpo e os dedos, sinto a cabeça cheia de palavras e frases, numa urgência de saírem por mim afora. O peito aperta-se-me e sinto-me prestes a explodir. Mas, depois, nada. Segue-se um vazio imenso, como se estivesse prestes a gritar: enchesse o peito de ar, abrisse a boca e dela apenas saísse silêncio. Um grito mudo. Um grito que nunca chega a sê-lo. E como que para me inebriar, afundo-me nos livros dos outros, nas palavras dos outros. À espera de ali encontrar as minhas. As minhas palavras que sucumbem ao vazio, que se calam.

Tenho saciado a fome de palavras, devorando livros, uns atrás dos outros. Como o alcoólico que bebe água a fingir que é vinho ou o fumador que masca pastilhas para distrair o desejo do cigarro, eu alimento-me de livros, enganando a vontade de escrever.

Caminho para a recuperação devagarinho. Este texto pode ser o in…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…