Avançar para o conteúdo principal

Carta Para Ti Que Me Aturas Há Tantos Anos

Escrevo-te esta carta porque:
Faz hoje cinco anos que fomos ao Registo Civil assinar um papel (que já nem se assinava), onde confirmámos legalmente que iríamos continuar a ser um para o outro o que tínhamos sido até aí, onde respondemos que não tínhamos alianças quando nos disseram que as podíamos trocar e onde não nos beijámos no final, porque o preferimos fazer, sozinhos, numa noite de núpcias que foi igual a tantas outras em que consumámos este amor que nos une.

Nesse dia, eu estava doente, feia, o pouco cabelo que tinha estava horrível, inchada dos corticóides, frágil e com poucas perspectivas futuras e, apesar de tudo, tu não me abandonaste, não deixaste de me amar e foste a principal razão, juntamente com o J., para que eu lutasse e não desistisse de gostar da vida.

Nunca deixaste de me olhar como se eu estivesse linda (apesar de todos sabermos que eu não estava), nunca duvidaste em ficar ao lado de uma pessoa que podia não ter muito tempo, nunca vacilaste, nunca desististe...

E, também, porque nos momentos mais difíceis da minha vida estiveste sempre lá, com a tua calma e paciência:
Na "sala de chuto" do IPO, a dizer parvoíces que nos faziam rir às gargalhadas parecendo dois tontinhos no meio de uma sala que cheira a morte e a doença. Só tu, com o teu humor contagiante, conseguias distrair-me do sofrimento que era passar por aquela sala...

Em casa, depois de um dia de trabalho, quando eu não podia com uma gata pelo rabo, tu tratavas de mim e do J., sem cara feia, sem desanimares e com a força que só um Homem com H grande pode ter.

À noite, quando o desespero tomava conta de mim e eu chorava com medo de perder esta vida, aqui, contigo e com o J., tinhas sempre aquele abraço e as palavras certas para um consolo quente que me davam o sossego necessário para adormecer com a esperança de que ainda ia ver o dia seguinte.

Quando existiu a hipótese de perder a minha mãe, tu deste-me esse ombro que eu enchi de lágrimas...

Quando o J. esteve em perigo de vida, tu vieste do outro lado da Europa, trazendo contigo o sorriso que ele tinha perdido.

E, sobretudo, escrevo esta carta porque te amo mais do que nunca e não quero deixar de te dizer

Obrigada


(Prometo que amanhã já não há lamechices!)

Mensagens populares deste blogue

Facebook lovers

Chegam ao restaurante de mãos dadas como nos tempos em que ele ainda não tinha a barriguinha que lhe força os botões da camisa e ela as duas camadas de base em tonalidades diferentes que escondem os traços que o tempo lhe foi desenhando no rosto.
Ele afasta a cadeira para ela se sentar num gesto que reproduz o cavalheirismo dos filmes românticos de Hollywood. Ela senta-se com olhar meloso, encarnando a personagem feminina da trama, e ajeita a saia que lhe aperta as formas agora mais arredondadas.

Num silêncio premeditado, o frente-a-frente impõe-se. Afinal é dia dos namorados e o romantismo é a palavra de ordem.
O gesto automático tira o telemóvel do bolso da camisa dele que só acaba quando o objecto é pousado sobre a mesa. Está ansioso, mas não quer lhe notem a inquietação. Afinal, é só mais um dia dos namorados.

A voz sai-lhe tão melosa quanto o olhar que ela lhe dirige:
- Estás linda! - semicerra os olhos como que a comprovar a veracidade das suas palavras.
Aponta-lhe a objectiva …

Tenho uma tatuagem no meio do peito

Ontem, no elevador, olhei ao espelho o meu peito que espreitava pelo decote em bico da camisola, e vi-a. "Tenho uma tatuagem no meio do peito", pensei. Geralmente, não a vejo. Faz parte de mim, há dez anos, aquele pontinho meio azulado. Já quase invisível aos meus olhos, pelo contrário, ontem, olhei-a com atenção, porque o tempo já me separa do dia em que ma fizeram e me deixa olhá-la sem ressentimentos. À tatuagem como à cicatriz que trago no pescoço.

A cicatriz foi para tirar o gânglio que confirmou o linfoma. Lembro-me do médico me dizer "vamos fazer uma cicatriz bonitinha. Ainda é nova e vamos conseguir escondê-la na dobra do pescoço. Vai ver que quase não se vai notar". Naquela altura pouco me importava se se ia notar. Entreguei o meu corpo aos médicos como o entrego ao meu homem quando fazemos amor.
"Façam o que quiserem desde que me mantenham viva", pensava. "Cortem e cosam à vontade! Que interessa a estética de um corpo se ele está a morrer?!…

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Parabéns ao Blogue!

Este blogue fez dois anos, no sábado passado, mas, para variar, esqueci-me.  Bad girl, bad bad girl!
Parabéns atrasados a ele e a mim (que sou uma atrasada nestas coisas, e noutras...).