Avançar para o conteúdo principal

Só Mais Uma Impressãozita, Se Me Permitem

Outra das coisas que me fazem comichão no céu da boca, são as crianças que dormem nas camas dos pais até acabarem, de vez, com a vida sexual do casal.

Não sou contra elas irem para a cama dos pais, longe de mim tal coisa!

Adoro que o meu filho venha ter connosco, para fazer miminhos, de manhã, enquanto ainda estamos todos naquele estado de sonolência agradável ... Ou quando tem um pesadelo que se venha confortar no calor do nosso abraço. Mas a noite toda, os três apertados na cama, a dormirmos todos tortos e sem que eu consiga chegar ao pai dele e vice-versa ... NÃO! Definitivamente, NÃO! 

Não me sinto, nem um bocadinho, pior mãe por ele não dormir connosco! Ele tem o canto dele e nós o nosso ...

Não é por acaso que se fazem camas de casal e não se fazem camas familiares ...
E as "king size"? Estarão vocês a pensar ...
As "king size" são para pessoas grandes ou para grandes aventuras, que não são (hoje) para aqui chamadas ...

Além de achar que as crianças precisam da sua autonomia e os pais da sua privacidade, dormir com os pais é um mau hábito. (Sei que ao fazer esta afirmação, muitos de vocês vão deixar de vir aqui, mas prefiro correr esse risco, a guardar esta opinião só para mim). E são um mau hábito, porque as engana ao fazê-las pensar que aquela cama é delas também e não as faz perceber que os pais têm um tipo de relação entre eles, diferente da que têm com os filhos.

E, mais uma vez, voltamos à história do comodismo ...
Na maior parte dos casos, os filhos dormem com os pais, porque é mais fácil não termos que nos levantar inúmeras vezes para ir ver se estão bem, para os confortar do medo do escuro, ou para os tapar ... É mais fácil, é mais fácil, é mais fácil ...

Quem disse que ser pai/mãe é fácil?


Comentários

  1. Outra coisa que em minha casa nunca se praticou! Não só por opção nossa e pelas mesmas razões que alegaste, mas porque eu simplesmente não conseguia pregar olho... com medo de o esmagar e sem falar que ele se espraiava pela cama toda...

    ResponderEliminar
  2. Naná

    É só para a avisar que o teu blogue está a dar aviso de software malicioso!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…