Avançar para o conteúdo principal

Primeiro Dia De Aulas

Pois é, o primeiro dia de aulas não correu como seria de esperar... E tudo "mea culpa"! 

Para começar bem o dia, não acordei a horas, por isso o J. chegou atrasado! - Isto não me podia ter acontecido no primeiro dia de aulas! Talvez no segundo ou no terceiro, mas no primeiro é completamente inadmissível! - Foi uma grande gaffe desta mammy!

Mas como uma grande gaffe nunca vem só ... Seguiu-se-lhe a segunda que se resumiu no esquecimento de pôr os lápis de cor na mochila dele e, como era o primeiro dia de aulas, os meninos iam passar o dia a pintar! 

Como duas gaffes não seriam suficientes para mim, esmerei-me por realizar a terceira, a qual foi concretizada com sucesso! O material era para ser entregue hoje (no primeiro dia de aulas) à professora e eu ... não entreguei ... 
(Esta gaffe foi a menos problemática de todas, no entanto se eu tivesse levado o material, a segunda gaffe não teria acontecido, pois os lápis de cor estariam ao pé do J. quando ele precisasse deles).

Apesar de eu ter andado a sabotar (inadvertidamente, mas a sabotar) o primeiro dia de aulas da criança, quando chegou a casa, vinha com um sorriso de orelha a orelha, contente por rever os amigos, orgulhosa por ter contado as suas férias à professora e aos colegas, alegre por ter brincado, feliz e com aquele brilhozinho nos olhos que enche este coração de mãe e o faz transbordar de tanto amor ...

Comentários

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…