Avançar para o conteúdo principal

Os Segredos Que Não São Segredos Nenhuns

Estou chocada! Possivelmente, porque sou um pouco ingénua ou porque me agarrei à esperança que todas as pessoas são possuidoras de conteúdo (seja ele qual for). 
Depois de ver o 1º episódio da Casa dos Segredos, caí numa realidade assustadora - há demasiadas pessoas completamente ocas! 

Como é possível que com milhares de candidatos tenham escolhido os mais vazios? Será que foi esse um dos critérios de selecção? Imagino o anúncio para os castings: "Se queres participar na Casa dos Segredos tens que ser completamente vazio de ideias, ter corpo igual ao dos bonecos das sex shops e aspirar a uma carreira na área da representação" "Ah e se não tiveres tido nenhum relacionamento que se aproveite, melhor!"

Deve ter sido a um anúncio deste género que estes meninos e meninas responderam, pois todos se encaixam, como se de uma luva se tratasse, neste perfil! 
Quais são os segredos que esta "gente" pode ter, visto que não há nada lá dentro além de ar? Que interesse podem ter esses segredos? Não consigo entender o propósito deste programa, a não ser que a ideia final seja exterminá-los!

Considero-me uma pessoa bastante tolerante quanto às diferentes personalidades dos outros, mas sou muito intolerante quanto à falta delas. Todos temos o direito de sermos assim ou assado, mas não sermos nada ultrapassa a minha capacidade de discernimento!
Para piorar a minha opinião sobre estes patetas alegres, eles ainda se orgulham dos seus vácuos intelectuais! Eu respeito a ignorância involuntária, mas a voluntária é demais para mim! 

E pensar que este mundo está cheio de meninos e meninas como estes, só aumenta a minha indignação e fico com medo, muito medo só de imaginar o meu filho no meio destes espécimes em vias de reprodução!

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…