Avançar para o conteúdo principal

O Carrinho De Bebé E A Chucha Com Uma Criança No Meio

Entre uma quantidade enorme de outras coisas, há uma que me faz mesmo muita impressão ...  

Ver crianças com mais de três anos em carrinhos de bebé com uma chucha na boca, põe os meus (dois) neurónios numa luta desenfreada, à procura de uma explicação que seja suficientemente válida para valer tamanha atrocidade. 

Podem dizer-me que "as crianças cansam-se muito, estão sempre a pedir colo e assim vão ali descansadinhas, enquanto nós não precisamos de parar para atender às birras do "não quero andar mais"". Podem até tentar convencer-me que assim "vão mais calmas e entretidas" ... Em relação à chucha a frase que mais oiço é "não conseguimos tirar-lha, já tentámos de tudo"...

Desculpem-me, mas não me convencem que acreditem realmente que estas são umas boas justificações ou que não conseguem fazer melhor do que isso ...

Quando alguém me "atira" com histórias destas, só me apetece dizer: 
-Essa conversa cheira-me, unicamente, a comodismo "puro e duro"!

Ninguém disse que era fácil educar os filhos, nem que bastava dizermos para eles fazerem uma coisa, que eles iam logo a correr fazê-la ... Ninguém disse que nós (pais) sabemos sempre como convencê-los, nem que éramos perfeitos e donos da razão em todas as situações ...

Ser pai/mãe é uma tarefa árdua! É preciso tentar, tentar e tentar ... E se não chegar, tentar outra vez  e com todos os meios ao nosso alcance ...

Claro que é muito mais fácil deixá-lo andar de chucha até o dentista dizer que se não lha tiramos a criança vai ficar com os dentes todos tortos. Claro que é muito mais fácil ter os nossos filhos "arrumados" num carrinho de bebé enquanto fazemos compras, do que pegá-lo ao colo de 10 em 10 minutos ou ter que ralhar com ele, em público, quando faz uma birra.

Quem disse que na educação das crianças, o fácil é o melhor caminho?

Devem estar a pensar quem sou eu para ter a mania que percebo muito de educação ...

É verdade não sou ninguém especial, nem percebo assim tanto de educação, mas sou uma mãe que já passou, pelo menos, pelas birras na rua e pelo cansaço de um filho que "neste momento não dá jeito nenhum, porque tenho imenso que fazer!"

E ainda vos digo mais: quando estava grávida do J., desejava tudo menos ter um filho que se atirasse para o chão em plena via pública. E sabem o que aconteceu? O J., com cerca de dois anos, fazia birras, de eu o ter que trazer arrastado por um braço, aos gritos, nada menos do que dia sim, dia sim ...

Eu não sabia lidar com este tipo de teimosia (só com aquele em que dizemos "ok, tens razão" e depois damos meia volta e deixamos a pessoa a falar sozinha) e fui aprendendo.

Se aprendi logo? Se foi fácil? Se errei?
Não, não e sim, muito. Mas nunca optei pela via, aparentemente, mais fácil - enfiá-lo num carrinho de bebé com uma chucha na boca!

As crianças precisam de fazer birras para afirmarem a sua personalidade e nós precisamos aprender a lidar com elas, impondo limites para que elas saibam até onde podem ir.
É uma questão de quase sobrevivência para as crianças, elas precisam perceber que se não param antes do precipício, acabam por cair!
Evitar as birras não ensina nada a ninguém, antes pelo contrário, adia um problema que, mais tarde, será muito mais difícil de resolver, acreditem!

Comentários

  1. Mammy, quem me dera que o meu quisesse ainda andar no carrinho... esquece lá isso, ele quer é andar solto por onde vai! Ele faz birra é se eu o enfiar no dito carro...
    Birras??!! Descomunais aí há um mês atrás, também cheguei a arrastá-lo pelo braço em pleno supermercado e depois de lhe ter dado uma palmada valente por me desobedecer!
    A chucha tive sorte, experimentei tirá-la e correu tudo bem!

    ResponderEliminar
  2. O caminho mais fácil nem sempre é o mais correcto, deu para perceber pelo que já te li que levas o teu papel de mãe muito a sério e acho que estás no bom caminho mesmo que tenhas dúvidas, a escolha que fizeres vai ser a melhor porque será feita com consciencia

    ResponderEliminar
  3. Naná, eu com a chucha também tive muita sorte, disse-lhe: A partir de amanhã, já não há chucha!
    E ele no dia seguinte, deu-ma! Nunca mais a pediu!

    ResponderEliminar
  4. Felina
    A consciência é o que nos diferencia dos animais, porque não usá-la?
    ;)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …