Avançar para o conteúdo principal

Cromos

O meu rapazito já está tão grande, que além de me dar quase pelo ombro (e eu tenho 1,80cm), já leva livros para ler nos intervalos das aulas.

Não sei se será assim tão positivo, pois os miúdos que lêem não são lá muito bem vistos pelos restantes ...

Como o pai diz: "ou passa a ser moda e os miúdos substituem a bola pelos livros (o que seria bem engraçado de ver) ou ele está, definitivamente, metido em sarilhos!"

O rapaz prefere o basquetebol ao futebol, já sabe ler melhor que muitos miúdos de 10 anos, fala de assuntos de adultos com um à-vontade impressionante, passa as férias a conhecer novos lugares em vez de passar o verão a chapinhar na água do mar (por mais estranho que pareça, vem de lá todo contente) e agora passou a levar livros(?) para a escola, que lê nos intervalos ...

O que o safa de ser severamente ostracizado, é dar uns toques na bola e saber o nome de todos os jogadores de futebol e as equipas a que pertencem ...

E pensar que estávamos tão renitentes em comprar a caderneta dos cromos de futebol ...

Bendita sejas, Adrenalyn!

Comentários

  1. É engraçado não ser tratado de cromo por causas dos cromos eheheheh,mas é verdade as crianças sabem ser crueis é bom estar atento a isso

    ResponderEliminar
  2. Os cromos foram uma loucura... Todos os miúdos tinham e andavam sempre a trocá-los. A professora teve que proibir que os levassem para a escola...

    ResponderEliminar
  3. Eu lembro me de também ser uma loucura na minha infância, e era giro fazermos trocas dos repetidos serve de aproximação

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Estamos a matar a infância das nossas crianças!

Se há cerca de vinte, trinta anos, não se sabia tanto quanto se sabe hoje sobre pedagogia, psicologia ou educação, actualmente este conhecimento é muito mais vasto. Tão vasto que tendemos a instrumentalizar a forma como educamos as nossas crianças.

Olhamos para os nosso filhos e vemo-los como projectos pessoais. Queremos que sejam os melhores e sempre melhores que eles próprios, que estejam sempre a evoluir para que sejam bem sucedidos na vida. É normal, porque independentemente das nossas crenças, queremos o melhor para eles, porque os amamos. Mas esta forma de amar e de os tentar conduzir para o sucesso está a matar-lhes a infância. 
Não são poucas as vezes que ouvimos coisas do género:  "Quero que o Rui seja um óptimo engenheiro";  "Estou a fazer tudo para que a Ana seja a melhor professora que já leccionou";  "O que mais quero é que o André vença no mundo do trabalho como o melhor designer gráfico".
Também dizemos que A ou B tem que frequentar determi…