Avançar para o conteúdo principal

Conteúdo

Voltando ao assunto AQUI das criaturas que habitam a Casa dos Segredos e projectando-o para um universo mais abrangente, não quero deixar de apresentar a minha indignação (devem estar a pensar, que eu ando numa de indignações, se calhar ando!) quanto à "Cultura do Ter" que se tem vindo a impor face à "Cultura do Ser".

Encontramo-nos numa sociedade, em que as pessoas são avaliadas por aquilo que têm e não por aquilo que são, este facto justifica, em parte, a quantidade de pessoas desprovidas de conteúdo como as que se encontram, neste momento, numa certa casa na Venda do Pinheiro.

A "Cultura do Ter" tornou-se numa das maiores explorações agrícolas do país e, como tal, começou a investir em ramos, que dado a sua aproximação estratégica, lhe parecem fazer todo o sentido - a "Cultura do Corpo". 

O corpo passou a ter uma importância tal, que se tornou no cartão-de-visita de qualquer português. As pessoas passaram a ser avaliadas pela quantidade de esteróides consumidos, de exercício físico feito e de silicone administrado. O conteúdo do cérebro, a personalidade e as características pessoais passaram para um plano tão longínquo, que quando existem, já quase não são visíveis.

E há pessoas de todos os géneros: há aquelas que têm algum conteúdo, mas temos que lhes remexer nas entranhas até o descobrirmos; há os que têm conteúdo, mas não interessam nem ao menino Jesus; e por fim, há os que não têm mesmo nada a declarar.

Esta diversidade da espécie até poderia ser uma mais-valia, se nós não conhecêssemos pessoas com um valor inestimável pela sua originalidade, criatividade e genialidade.

De tudo isto, o que mais me assusta nem é a existência desta gente, pois eu detesto discriminação e sou das primeiras a não os discriminar ... 

O que mais me assusta mesmo, é que esta cultura está em franca expansão e o seu valor está a ser sobrevalorizado face a personalidades da vida pública (e não só), que trabalham mais do que os bicípites e os tricípites e que contribuem, todos os dias, com os seus feitos intelectuais para a evolução da Humanidade e para tornar este mundo melhor.

Comentários

  1. Olá Mammy... Antes de mais quero agradecer-lhe as visitas ao meu blogue. Quero também pedir-lhe desculpa por ter apagado inadvertidamente o seu comentário. Queria publicá-lo e acabei oor apagá-lo.

    Bj de PG

    ResponderEliminar
  2. Não tem problema! Gosto muito do seu blogue, pois sou viciada em livros infantis! Obrigada também por visitar o meu!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos sep…