Avançar para o conteúdo principal

Amadeus

Fomos ao teatro tirar a "barriga de misérias" dos nossos programinhas culturais, mas fomos só os dois, porque a peça não era adequada para crianças.


No teatro D.Maria II está a peça Amadeus, que nos surpreendeu pelas interpretações dos actores, especialmente a do Diogo Infante, que interpreta o papel de Salieri com uma versatilidade maravilhosa. Ele não sai de cena nem por um minuto, deve chegar ao fim completamente esgotado!

Mas o que me deliciou foi a articulação e o conteúdo dos textos, que manipulam a linguagem prodigiosamente e a dicção do Diogo só lhes deu mais encanto ...

Agora, estou a preparar-me para ir ver a próxima que será As Lágrimas Amargas de Petra Von Kant (está no mesmo teatro) e, segundo ouvi, também é uma boa peça, com óptimas actrizes ...



É que esta história dos "programinhas culturais", é extremamente viciante... 

Experimentem para verem se no período de abstinência não ficam cheios de dores e a coçarem-se freneticamente ...  

Eu já estava com a pele em sangue ...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …