Avançar para o conteúdo principal

Programinhas Culturais

Não é para me armar em intelectual, mas o pessoal aqui de casa tem por hábito ir a museus, monumentos, exposições e peças de teatro. Gostamos de programinhas culturais aos fins-de-semana!


Coliseu - Roma

O J. era um grande entusiasta destas aventuras, mas progressivamente tem vindo a perder a vontade de nos acompanhar. Quando falamos em exposições, ele fica logo a olhar-nos de lado!

Anteriormente, ele até brincava aos museus: arranjava bilhetes (tickets de estacionamento roubados do carro da avó, que os colecciona compulsivamente), montava uma exposição no corredor cá de casa, vendia-nos os bilhetes (que até podíamos pagar com multibanco) e fazia-nos uma visita guiada com direito a explicação pormenorizada de cada uma das peças expostas.

Actualmente, cada vez que dizemos que vamos a uma exposição, ele pergunta "posso ficar em casa de alguém?".

Fico, sinceramente, triste com esta mudança de atitude face aos nossos programinhas de fim-de-semana. Eram os nossos programinhas! Fazíamo-los só os três, era uma coisa nossa! Além disso, eu adorava ver quadros ou fotografias explicadas por ele (nas exposições reais, ele partilhava comigo a sua interpretação do que estava exposto). Era tão engraçado perceber que o eu via num quadro não tinha nada a ver com o que ele via! As crianças vêem mais longe, elas percebem a arte (se é que isso é possível)! Acontecia-me tentar explicar um quadro de uma forma demasiado complexa e o J. descrevia-me exactamente o que lá estava e era realmente o que lá estava, só que eu não tinha visto nada daquilo. 

É incrível como perdemos a capacidade de ver certas coisas quando crescemos e passamos a só as conseguir vislumbrar ...

Voltando à minha tristeza por estar a perder o meu companheiro de exposições: não sei se hei-de ou não insistir para que ele nos acompanhe... Tenho medo que se insistir muito, ele se sinta pressionado e ainda lhe apeteça menos vir e se não insistir, ele perca definitivamente o interesse ...
Por agora, eu e o pai decidimos "dar um tempo" aos "programinhas culturais de fim-de-semana", mas... Já tenho tantas saudades!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…