Avançar para o conteúdo principal

Pais

Li um artigo, há pouco tempo, que falava dos pais. Dizia que, neste momento, temos os melhores pais de sempre, pois eles já fazem, aos filhos, praticamente o mesmo que as mães.

O meu primeiro pensamento foi "óptimo para eles, finalmente perceberam o bom que é tratar dos filhos!". É isso mesmo que sinto! Como mulher podia sentir-me ressentida por os homens não terem feito a "ponta de um corno" (os mais sensíveis que me perdoem a expressão) durante séculos pela educação dos filhos, mas antes pelo contrário, senti-me feliz por eles terem a oportunidade de desfrutarem da paternidade.

E fico feliz, essencialmente, pelos filhos que já podem gozar os seus pais em condições e serem cuidados por duas pessoas que os amam em vez de uma.

Temos um pai e uma mãe por alguma razão, não? A partir do momento em que as mães passaram a trabalhar fora de casa, os filhos perdiam se os pais não se tornassem mais participativos nas suas vidas. Além disso, por muito que uma mãe se esforce, nunca conseguirá ser pai e mãe em simultâneo. Pode ser a melhor mãe do mundo, mas nunca conseguirá ser pai.

Com isto, não digo que não se pode ser feliz se não se tiver pai. Acho que, em certos casos, uma criança sem pai ou mãe, ou com dois pais, ou com duas mães, até pode ser mais feliz do que outra que tenha o pai e a mãe da família tradicional a que estamos habituados.
Para mim, a competência dos pais está assente em dois pontos essenciais: o amor que se tem pelos filhos e o fazer-se o melhor possível.

Não há pais perfeitos, é verdade, mas há bons e maus pais. E os pais homens, até há bem pouco tempo, não eram nada de jeito (salvo raríssimas excepções) ...

Parabéns aos que fizeram alguma coisa para mudar isso e força aos que ainda não tiveram a coragem de dar esse passo tão importante para eles e para os seus filhos! Tenho a certeza que não se vão arrepender!

Comentários

  1. Condordo plenamente, ainda bem que hoje os PAIS fazem questão de "exercer" o seu papel (na sua maioria). Eu, como Mãe que sou, escolhi um PAI à maneira para o meu pequeno! Está sempre disposto a colaborar e faz questão de lhe satisfazer as vontades! Juntos, são duas crianças. Um Brinde a estes PAIS!

    ResponderEliminar
  2. Carla, tem sorte em ter encontrado um pai à maneira para o seu filhote, pois, apesar de estar a melhorar, eles ainda são difíceis de encontrar...

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…