Avançar para o conteúdo principal

Não Gosto Especialmente de Crianças

É verdade, não gosto especialmente de crianças, mas sinto que há uma estranha afinidade que nos liga. Não sou daquelas pessoas que mal vê um bebé, corre logo para o pegar ao colo, que faz "gu-gu, dá-dá" a qualquer um, ou que faz caretas e brincadeiras no primeiro encontro.

Sim, sou das difíceis (pelo menos com as crianças)!

Se algum pai babado me diz:
-Não quer pegar nele ao colo?
Eu respondo logo:
-Não, não, deixe estar, obrigada!

Geralmente, não me meto com os filhos dos outros, apenas lhes sorrio timidamente. São as crianças que se metem comigo ou então ficam a olhar-me fixamente, que até me deixam envergonhada ...
Por vezes, quando estou num qualquer sítio público, olho em volta e tenho umas tantas criancinhas a olhar para mim. Acreditem, é deveras intimidador!

Sinto, que eu e as crianças estamos sintonizados no mesmo posto, enquanto o resto dos adultos estão num outro qualquer ... Quase comunicamos telepaticamente... Sem pronunciarmos uma única palavra temos longas conversas ... Somos cúmplices num silêncio, que diz mais do que muitas palavras de adultos ...

A comunicação com as crianças (tal como com os animais) alicia-me muito mais do que com os adultos, porque é mais básica ... Não há falsidades ... Ou se gosta ou não se gosta, ou é ou não é... O que se diz (e diz-se muito pouco) é verdade, não é para agradar, nem porque é politicamente correcto ... Há verdade no olhar, nas acções, nas palavras ...

O J. hoje disse-me "Tens tantas rugas!", em vez de "Devias ter mais cuidado com a pele!". O que ele me disse veio fundo do seu coração, não artificialmente processado para me agradar ou para não me chocar ... Foi verdadeiro... E é verdade, eu tenho tantas rugas! E, depois, qual é o problema???


Comentários

  1. Cheguei a este post e... eu também sou assim.
    Não corro para as crianças, não lhes faço mimimis nem nada parecido. No fundo, não gosto especialmente de crianças. Mas tenho-lhes uma admiração e respeito muito grande.
    Há muitos adultos que não me entendem, mas é isso, não me atrelo às crianças só porque sim.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…