Avançar para o conteúdo principal

Momentos Eternos

Ontem, fui ver um filme ao cinema, o Super 8. Não o achei nada de especial. Os miúdos têm umas boas interpretações, mas que não são nada de espectacular. 

O que me tocou mais, foi um dos miúdos não ter mãe, que tinha morrido havia pouco tempo. Quando vejo filmes ou leio livros em que tal acontece, penso como seria se isso acontecesse ao meu miúdo... 

Como já disse anteriormente, sou uma cliente habitual do IPO e, por esse motivo, a minha morte já foi uma hipótese mais próxima que distante. Se calhar, foi essa proximidade de me deu força para lhe resistir. Pensar que o meu filho teria de crescer sem mãe, fez com que eu me agarrasse à vida "com unhas e dentes". Este não foi o único motivo que me encorajou a viver, mas foi o crucial. O amor das pessoas que me são mais próximas também ajudou, e muito!

Mas voltando ao filme e às crianças que crescem sem mãe, este assunto deixa-me sempre bastante sensibilizada e fico com aquela perturbadora (e já habitual) sensação que não aproveito todos os momentos em que estou com o J. Acho que devia eternizá-los para que, mais tarde, ele os possa reviver sem mim da maneira mais agradável possível.

A vida passa rápido e se não desfrutarmos dos bons momentos que passamos com quem amamos, ela ainda passa mais rápido ... É bom fazermos pausas no que é supérfluo para conseguirmos aproveitar o essencial ... Afinal, não vamos cá ficar para sempre... (Este pensamento já está muito visto, mas pouco interiorizado, pelo menos por mim ... E, como TPC de mãe, vou escrevê-lo 100 vezes para não me esquecer ... )

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…