Avançar para o conteúdo principal

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.

O pai tentou:
-Detritos nasais!

Eu tentei:
-Fluídos nasais secos!

As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ... 
O J. diz:
-Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...

Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 

Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...


Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Comentários

Publicar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

TPCs e AECs, ou seja, Trabalhos Para Casa e Actividades Extra-Curriculares

Assumo-me, aqui perante todos vós, uma convicta opositora aos TPCs, durante a semana e quando os miúdos frequentam as AECs!
Crianças com uma jornada laboral maior do que certos adultos, que apenas têm 4 horas em casa com os pais, e que nessas 4 horas ainda tenham que tomar banho, vestir-se, brincar um bocadinho à pressa e jantar, não deviam nunca, jamais, e em tempo algum, ter trabalhos de casa para fazer! Tenho dito!
As AECs foram inventadas para quê? Não foi para ocupar as crianças o resto do dia, enquanto os pais não chegam do trabalho para as irem buscar à escola? Não foi para alguns pais poderem prescindir dos ATLs (Actividades de Tempos Livres) e não terem que pagar uma mensalidade a estas instituições para irem levar e buscar os seus filhos à escola?
Pois se é para isso que elas existem, e até há uma delas que se chama Apoio ao Estudo, porque é que os miúdos não fazem os TPCs durante o período em que estão nestas actividades, ou, mais propriamente, nesta que tem um nome tão su…

O barulho das fraldas

O meu filho já me passou em altura. Pouso a cabeça no seu ombro sem a baixar. Olho-o nos olhos de frente, como a um adulto. As longas pernas, agora com pêlos a tornarem-se escuros, são as mesmas que, em tempos, ainda não andavam e se mexiam em simultâneo com os braços, enquanto lhe mudava a fralda.
É um homem aquele bebé que viveu em mim oito meses e pouco e que deu um grito quando me saiu das entranhas. Um homem que enche a cama e a quem vou, à noite, tapar os pés que teimam em sair debaixo dos lençóis.
É um homem o bebé que, nas manhãs de fins-de-semana, se vem deitar ao meu lado; a quem tento envolver todo num abraço gigante; a quem beijo a testa e cheiro o cabelo; e a quem dou palmadinhas no rabo, pensando que ali ainda vou encontrar o barulho das fraldas.

O Que Desejamos Para os Nossos Filhos?

Assim de repente, sem pensar duas vezes, diria "que sejam felizes!".  Depois olho em volta e não vejo isso nas acções da maior parte dos pais. Não nas de todos, claro, mas nas da maior parte. Olho-os, oiço-os e vem-me à cabeça a palavra "sucesso" em vez de "felicidade". Sucesso nos estudos, no desporto, nas finanças, nas atitudes, nos comportamentos, na vida. Vejo-os gastar tempo e dinheiro, muito dinheiro por vezes, em mil e uma actividades. E tempo a dividir-se em muitos para conseguirem levar os filhos a essas mesmas actividades. Exigem que eles sejam bons em tudo o que fazem. E volto ao sucesso. Paro no sucesso. E fico a meditar a definição de sucesso.  O que é isso, sucesso? O que é isso de se ser bom em tudo, de se saber fazer tudo? Ter infindáveis valências far-nos-á mais felizes? Ser bom far-nos-á mais felizes?  E desta vez, olho e oiço os filhos, e não me parecem felizes. Resignados, talvez. Mas felizes não. Vejo crianças como pequenos adultos, …