Avançar para o conteúdo principal

IPO


Eu sou cliente habitual do IPO, há já alguns anos. Actualmente, vou lá com menos regularidade (felizmente). Por isso, não me impressiono com facilidade ao ver pessoas com as mais variadas mazelas, nem mesmo as mais estranhas: tumores gigantes ou falta de partes do corpo. As cabeças carecas ou com cabeleiras entraram na minha vida de uma forma harmoniosa.

Hoje, tive que lá ir fazer uma TAC. Fui para a sala de espera e correu tudo bem até chamarem um miúdo, de uns 14 anos... Quando lá entrei, nem reparei no miúdo. Havia uma data de pessoas com ar frágil e doente, algumas carecas, devido à maldita / bendita quimio, mas no miúdo não reparei... 

Chamaram-no "J.!" e o meu coração ficou logo apertadinho (o meu filho chama-se J.). Seguidamente, vejo-o levantar-se... e fico com a lágrima logo a espreitar... 

Não sei porque isto acontece comigo desta maneira... mas acontece sempre que vejo uma criança no IPO! 

Uma das maiores injustiças é as crianças terem que passar por doenças como o cancro! Bolas! Os corpos deles ainda não estão sequer formados! Como podem começar, já, a fabricar células maradas??
Passar por um cancro não é pêra doce... ainda mais para as crianças! Como lhes explicamos que têm de passar por tratamentos, extremamente dolorosos, que os vão fazer sentir ainda mais doentes, para ficarem boas? Não explicamos! Ou se explicamos, eles não percebem! A nós, adultos, já é tão difícil entender... 

E o pior disto tudo é que, às vezes, não ficam boas...

Comentários

  1. Vou quase sempre sozinha, são exames de rotina , nada mais... No entanto, levo sempre a cabeça e penso parvoíces...
    :)

    ResponderEliminar
  2. Eu tinha 16 anos quando acompanhei a minha mãe pela primeira vez ao IPOFG e na sala de espera para análises encontrei uma miúda da mesma idade que eu, que mais parecia um cadáver andante e tremi! Depois vi um menino de pouco mais de 2 anos, careca, e sem qualquer brilho nos olhos e só quis rebentar em lágrimas... nessa altura, a ideia de ser mãe foi varrida dos meus desejos enquanto pessoa!
    Mammy, que a remissão assim continue! Desejo-lhe tudo de bom!

    ResponderEliminar
  3. Naná, nas minhas idas ao IPO encontro muitas crianças, tanto no parque infantil, que lá há, como nas sala de espera para as análises e é sempre muito difícil deparar-me com o sofrimento espelhado naquelas carinhas...
    Aquelas crianças estão a passar a maior das injustiças, pois lutar contra um cancro é uma batalha demasiado árdua para quem ainda não viveu o suficiente para saber o que é lutar pela vida! Elas acabam por aprender, mas da maneira mais difícil... Obrigada pelas suas palavras!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

Anita no Facebook

O Facebook anda a fazer-me mal. O chato é que preciso daquilo como ferramenta de trabalho e acaba por ser difícil desligar de vez ou até fazer um intervalinho com fins terapêuticos.
Ultimamente, ando tão farta de por ali andar que já tudo me parece os livros da Anita.
Antes do Verão: Anita corre quilómetros para caber no biquíni
Em férias:  Anita mete o pezinho na areia e o nariz no mar
Em dias de sol: Anita vai à esplanada com as amigas e diverte-se a potes
No fim das férias:  Anita volta para o trabalho chateadíssima, mas, pronto, a vida é assim e tem que trabalhar
À hora das refeições:  Anita cozinha um delicioso jantar cheio de super-alimentos e de baixas calorias ou  Anita vai almoçar a um sítio todo fashion, come imenso marisco e bebe sangria de champagne
Tarde de sábado:  Anita vai a uma exposição qualquer interessantíssima ou Anita sai à rua e vê as pessoas a passar
Sábado à noite:  Anita dança e bebe gin 
Tarde de domingo:  Anita vê um filme com a família ou Anita tem umas flores lindas…

Ler e escrever

Há uma candura e uma vontade de regressar à infância de quem lê e escreve. Ler, e escrever, vai para lá do que é o real. Leva-nos para um mundo imaginário, conduzido por quem escreve, mas só nosso, tão pessoal. Talvez por isso, ler e escrever sejam estreitos encontros com a solidão...

Quando se lê um livro, mergulha-se numa dimensão à parte. Trilha-se um caminho de ficção e trilha-se outro que só existe no nosso interior. Percorrem-se as dúvidas e as certezas, os sonhos e a realidade, como se fossem sempre tão próximos. Parte-se da fantasia para a existência, sem nunca se sair completamente de dentro de nós.
Ler, e escrever, é uma viagem ao tempo em que a imaginação nos comandava as emoções. É explorar o quarto escuro que nos apavorava ou os jardins que nos deslumbravam. É ir, e não voltar, aos lugares onde nos sentíamos sós e incompletos, mas ao mesmo tempo cheios de desconhecimento, inocência e ilusão.
Ler, e escrever, é um exercício egoísta, em que não cabe lá mais ninguém para além d…