Avançar para o conteúdo principal

Hiperactivo? De certeza?

Continuando na mesma linha dos problemas das crianças deste mundo Moderno(?) e Civilizado (?) em que vivemos, gostava de partilhar a minha incerteza quanto ao assunto da hiperactividade. 

Actualmente, os médicos diagnosticam inúmeros casos de hiperactividade. Serão todos verdadeiros casos de hiperactividade? Na minha opinião, não! Mas eu não sou médica, nem psicóloga... por isso venho aqui apenas apresentar a minha estranha teoria!

Ela poderá chocar algumas pessoas, pois para mim, as crianças são como os cavalos! Não  pensem que é algum desprestigio ser-se parecido com um cavalo, antes pelo contrário! 

Aqui vai a minha explicação:
(Trabalhei uns aninhos com cavalos e tenho formação na área, por  isso penso que posso dizer que percebo um bocadinho destes bichinhos!)
Os cavalos  são animais que precisam de muito exercício, estão a maior parte do dia em pé e precisam de andar. Eles não podem estar muito tempo fechados numa boxe, pois podem ter cólicas intestinais mortais por causa de não se mexerem. Quando estão longos períodos fechados, devemos passá-los à guia antes de os montarmos, pois se não o fizermos corremos o risco de cairmos do cavalo por causa das suas alegres cangochas. Podemos comparar as  cangochas a "gritos de liberdade" que servem para libertar a energia em excesso que está acumulada nos seus corpos.

Com as crianças passa-se o mesmo! Lembram-se de quando eram pequenos e estavam sempre a brincar na rua, a saltar, a correr a subir às árvores, a andar de bicicleta, a saltar à corda, ao elástico, a jogar à apanhada ou a fazer outra brincadeira qualquer mexida? 
 Agora, olhemos com atenção para os nossos filhos! Quando é que eles se mexem? E quando é que brincam livremente? Pouquíssimas vezes, se os compararmos connosco quando éramos crianças , não é?

Tal e qual os cavalos que estão fechados todo o dia, os nossos filhos estão fechados nas aulas, em casa e nas mil e uma actividades orientadas que lhes arranjamos! E do que é que eles precisam? De dar cangochas!!  Por isso, não se concentram, por isso não conseguem estar quietos! Os nossos filhos precisam, desesperadamente, que os passem à guia para poderem dar cangochas e, assim, libertarem toda a energia que têm contida!

Com isto, não quero dizer que a hiperactividade não existe, acredito que exista, mas não tantos casos como os que nos querem fazer crer. Acho é que há demasiados falsos diagnósticos em que se enchem crianças de medicamentos de que não necessitam... e isso preocupa-me...

Glossário:

-Boxe - "casota" do cavalo; local onde o cavalo dorme, geralmente com dimensões de 2x3m com uma porta que está divida em duas (uma superior e outra inferior).
-Passar à guia - fazer o cavalo andar num círculo à nossa volta estando ele preso a uma extremidade de uma corda comprida (guia)  que nós seguramos.
-Cangochas - pinotes que os cavalos dão, apoiando-se nas patas dianteiras e elevando as patas posteriores num coice para o ar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


Grito

Há meses que não escrevo uma palavra. Quase como se estivesse de abstinência ou a fazer uma cura de desintoxicação.

Às vezes tenho ressacas. Dói-me o corpo e os dedos, sinto a cabeça cheia de palavras e frases, numa urgência de saírem por mim afora. O peito aperta-se-me e sinto-me prestes a explodir. Mas, depois, nada. Segue-se um vazio imenso, como se estivesse prestes a gritar: enchesse o peito de ar, abrisse a boca e dela apenas saísse silêncio. Um grito mudo. Um grito que nunca chega a sê-lo. E como que para me inebriar, afundo-me nos livros dos outros, nas palavras dos outros. À espera de ali encontrar as minhas. As minhas palavras que sucumbem ao vazio, que se calam.

Tenho saciado a fome de palavras, devorando livros, uns atrás dos outros. Como o alcoólico que bebe água a fingir que é vinho ou o fumador que masca pastilhas para distrair o desejo do cigarro, eu alimento-me de livros, enganando a vontade de escrever.

Caminho para a recuperação devagarinho. Este texto pode ser o in…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…