Avançar para o conteúdo principal

Guerra e Paz

Hoje o dia não me correu nada bem. Chateei-me com o J. por causa dos trabalhos de casa. É sempre a mesma guerra para os fazer! 

Ele fica nervoso, eu fico irritada e é o desatino total! Ultimamente, dá-lhe para ter ataques de histerismo e põe-se aos gritos que nem um louco! Qualquer dia, os vizinhos chamam a polícia por pensarem que eu estou a fazer mal à criança!

Eram trabalhos de matemática e ele embirrou que não sabia fazer um problema. Eu expliquei-lho centenas de vezes, mas ele não tomava atenção nenhuma ao que eu dizia e teimava que não sabia fazer nada daquilo. Era um raciocínio que ele faz "com uma perna às costas", mas hoje, ele não sabia e, por isso era o rapaz mais burro do mundo! Disse-lhe que só não entendia, porque não estava com atenção. Não resultou. Chorou e gritou!

-Ok, vamos fazer um intervalo para te acalmares e depois já consegues pensar melhor! 
Combinámos que a seguir ele fazia-os sem birra. 
Eu fui fazer as minhas coisas enquanto ele fazia o intervalo.

Quando lhe disse que o intervalo já tinha acabado e que ele tinha que voltar ao trabalho, ele confirmou que ia acabar os trabalhos pacífica e rapidamente, porque tínhamos que sair. Só que mal eu me ausentava da sala, ele começava a brincar. Isto uma vez... duas vezes... três vezes... Quando ele ia começar a brincar a quarta vez, eu chego-me ao pé dele, de mansinho, e digo-lhe:
-Amanhã, ficas de castigo!
Ele começa num berreiro que parte o coração mesmo a quem o tem mais frio, quanto mais a mim que me sensibilizo com uma parvoíce qualquer.
-Porquê, mãe? Porquê? - e chorava.
-Porque eu tenho respeitado as tuas dificuldades, compreendo que tu estejas cansado e sei que tens demasiados trabalhos para férias, mas tu também tens que me respeitar a mim e neste momento estás a gozar comigo, porque eu estou aqui há imenso tempo à tua espera para tu estares a brincar!
-Mas... mas...
- Mas... nada! Esperas que eu fale e depois falas tu! - passei-me completamente, mas passei-me a falar baixo e com aspecto de calma (acho eu), o que o deixou desconsertado.

A minha calma obrigou-o a acalmar-se. Ele foi fazer o resto dos trabalhos e de vez em quando dizia "só me apetece chorar", mas continuava a fazê-los. Acabou-os e fomos às compras.
Foi o caminho todo a tentar agradar-me, até mudava o tom de voz, para um mais queridinho. 
Eu nem conseguia falar com ele como deve ser... silenciosamente, estava a tentar juntar os pedacinhos do meu coração!


Mensagens populares deste blogue

Macacos do Nariz

O J. voltou a perguntar qual era o verdadeiro nome dos macacos do nariz e, uma vez mais, não lhe soubemos responder.
O pai tentou: -Detritos nasais!
Eu tentei: -Fluídos nasais secos!
As nossas tentativas não satisfizeram nenhum de nós três ...  O J. diz: -Temos que perguntar à Drª, como ela é médica deve saber ...
Fiquei a pensar onde poderia encontrar a resposta a esta questão sem ter que perguntar à médica ... 
Consultei a enciclopédia, o dicionário, procurei na net e ... nada, nem a mais pequena referência à designação científica para macacos do nariz ...

Confesso que nunca me tinha passado pela cabeça que os macacos do nariz tinham outro nome ...

As coisas em que este miúdo me põe a pensar ...

Este blogue vai descansar uns diazinhos, mas volta, com a maior brevidade possível!


"Bom dia e as melhoras!"

IPO - 9h da manhã

Indicam-me a sala de espera da radiologia. Há uma televisão que vai distraindo as pessoas sentadas, alinhadas, de frente para ela.
Sento-me no sofá por baixo da televisão e de frente para os espectadores pouco atentos às notícias da manhã.
O ar que se respira nas salas de espera do IPO é sempre um pouco solene. Vive-se a incerteza e espera-se o desconhecido. O silêncio e as palavras ditas em murmúrios impregnam o ambiente de uma musicalidade suave. Como se fosse o som de fundo de uma floresta imergida na fatalidade perene.

Chamam-me para o exame. Sigo a "operacional" - como chamam hoje às funcionárias dos hospitais - até ao gabinete onde me devo despir da cintura para cima e vestir a bata branca com centenas de IPOs estampados.
Faço o que me mandam e tiro o piercing do umbigo. Tiro o piercing do umbigo sempre que sou irradiada. Tenho a sensação que o metal do brinco pode projectar as radiações para lugares inusitados se não o fizer. Talvez seja uma crença o…

Marcadores #6

- A Gabrielle é inocente, podes acreditar! Quando a conheceres vais ter vontade de a defender, vais ver – Cármen estava exausta, por isso Ana resolveu fazer uma pausa na conversa para a mãe descansar. Levantou-se e dirigiu-se à cozinha para ir buscar um copo de água. Quando voltou, abriu a gaveta da mesinha-de-cabeceira e tirou várias qualidades de comprimidos. Olhou para o papelinho que os acompanhava que descrevia as quantidades e horários e começou a separar os que pertenciam àquela hora. Juntou seis que Cármen teria de deglutir uns atrás dos outros. Passou-os um a um, para a mão da mãe, que os tentou empurrar garganta abaixo com a ajuda de doridos golos de água.             Cármen quebrou o silêncio para dizer que guardava cartas trocadas com Gabrielle no tempo em que a amiga trabalhou na Alemanha e que gostava que a filha as lesse. Era uma forma de conhecer Gabrielle, explicou. Apontou para uma caixinha de madeira que se encontrava sobre a cómoda debaixo da janela que continh…