Avançar para o conteúdo principal

Guerra e Paz

Hoje o dia não me correu nada bem. Chateei-me com o J. por causa dos trabalhos de casa. É sempre a mesma guerra para os fazer! 

Ele fica nervoso, eu fico irritada e é o desatino total! Ultimamente, dá-lhe para ter ataques de histerismo e põe-se aos gritos que nem um louco! Qualquer dia, os vizinhos chamam a polícia por pensarem que eu estou a fazer mal à criança!

Eram trabalhos de matemática e ele embirrou que não sabia fazer um problema. Eu expliquei-lho centenas de vezes, mas ele não tomava atenção nenhuma ao que eu dizia e teimava que não sabia fazer nada daquilo. Era um raciocínio que ele faz "com uma perna às costas", mas hoje, ele não sabia e, por isso era o rapaz mais burro do mundo! Disse-lhe que só não entendia, porque não estava com atenção. Não resultou. Chorou e gritou!

-Ok, vamos fazer um intervalo para te acalmares e depois já consegues pensar melhor! 
Combinámos que a seguir ele fazia-os sem birra. 
Eu fui fazer as minhas coisas enquanto ele fazia o intervalo.

Quando lhe disse que o intervalo já tinha acabado e que ele tinha que voltar ao trabalho, ele confirmou que ia acabar os trabalhos pacífica e rapidamente, porque tínhamos que sair. Só que mal eu me ausentava da sala, ele começava a brincar. Isto uma vez... duas vezes... três vezes... Quando ele ia começar a brincar a quarta vez, eu chego-me ao pé dele, de mansinho, e digo-lhe:
-Amanhã, ficas de castigo!
Ele começa num berreiro que parte o coração mesmo a quem o tem mais frio, quanto mais a mim que me sensibilizo com uma parvoíce qualquer.
-Porquê, mãe? Porquê? - e chorava.
-Porque eu tenho respeitado as tuas dificuldades, compreendo que tu estejas cansado e sei que tens demasiados trabalhos para férias, mas tu também tens que me respeitar a mim e neste momento estás a gozar comigo, porque eu estou aqui há imenso tempo à tua espera para tu estares a brincar!
-Mas... mas...
- Mas... nada! Esperas que eu fale e depois falas tu! - passei-me completamente, mas passei-me a falar baixo e com aspecto de calma (acho eu), o que o deixou desconsertado.

A minha calma obrigou-o a acalmar-se. Ele foi fazer o resto dos trabalhos e de vez em quando dizia "só me apetece chorar", mas continuava a fazê-los. Acabou-os e fomos às compras.
Foi o caminho todo a tentar agradar-me, até mudava o tom de voz, para um mais queridinho. 
Eu nem conseguia falar com ele como deve ser... silenciosamente, estava a tentar juntar os pedacinhos do meu coração!


Comentários

  1. É isso mesmo, o mais importante na Educação de uma Criança é a constância nas atitudes dos pais/educadores.
    É verdade... Ainda por cima têm uma carinha linda e ainda nos custa mais por-lhes de castigo...
    Sou contra "comprar" as crianças. Eu falei num brinquedo para ser mais perceptível de compreender o funcionamento das recompensas...
    Neste livro vais ver que este método não se trata, de todo, de "comprar" as crianças: "Filhos Teimosos e Rebeldes" da Editora Estrela Polar.
    Bolinhas de Sabão!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...

Mensagens populares deste blogue

O Pintas

Estudei Gestão Equina numa terra no centro de Portugal.
A escola dividia-se entre uma antiga escola, no centro da aldeia, convertida em internato masculino e salas de aulas e uma herdade a uns setecentos ou oitocentos metros já quase fora da localidade.
Os alunos tinham aulas ora na escola, ora na herdade e seguiam geralmente a pé de um lado para o outro.
Um dia, o Pintas apareceu por lá (já não me lembro bem onde o encontrámos pela primeira vez), um cão talvez arraçado de dálmata, pois era branco com pintas negras.
Deram-lhe o nome de "Pintas", mas havia quem o chamasse de "Beethoven". Na verdade, podiam chamá-lo como quisessem que o cão reconhecia quando a conversa era com ele.
O Pintas fazia o caminho herdade/escola e escola/herdade vezes sem conta. Penso que a intenção era acompanhar os seus amigos preferidos no caminho que separava as duas instalações escolares... Seguia a nosso lado como se fosse mais um aluno. Deixava-nos na herdade e seguia de novo para a …