Avançar para o conteúdo principal

Bullying

Ando a ler um livro sobre bullying. Acho que a maior parte de nós não tem a noção da proporção a que o bullying pode chegar. Para quem não sabe, bullying é "um termo utilizado para descrever actos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos causando dor e angústia, sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder" (citação de http://pt.wikipedia.org/wiki/Bullying).
Proteja o seu filho do Bullying foi escrito por um autor americano e está à escala do problema americano que é, como todos sabemos, em larga escala! Há casos em que as crianças chegam a suicidar-se!
Sabiam que as vítimas de bullying podem tornar-se facilmente bullies (agressoras)? Muitas vezes, as crianças que são vítimas na escola, são agressoras dos irmãos mais novos em casa! Estas crianças, que sofrem maus tratos diários, por parte dos colegas, quando se deparam com crianças potencialmente mais fracas, agridem-nas como forma de lhes dizerem "vês, sou mais forte que tu, nem te atrevas a fazer-me mal!". 

Uma criança que é alvo de bullying revela alguns sinais de alerta a que devemos estar atentos (cito apenas alguns, pois a lista é extensa):
-Manifesta uma súbita falta de interesse pelas actividades e eventos da escola;
-As suas notas baixam repentinamente;
-Tem uma postura corporal de "vítima": ombros caídos, cabisbaixo, evita o contacto visual directo e afasta-se dos outros;
-Tem pesadelos e insónias;
-Aparece em casa com arranhões ou nódoas negras inexplicáveis;
-Torna-se demasiado agressivo, rebelde e insensato;
-etc., etc.

Estou a achar este livro muito interessante, porque o autor vai-nos dando dicas para combatermos este problema. O fortalecimento da auto-estima dos nossos filhos e o incentivo para que usem comportamentos dissuasores da agressão (postura corporal, métodos para manter a calma no momento da agressão, respostas assertivas, etc.) são algumas das técnicas aconselhadas aos pais. Esta visão faz-nos acreditar que podemos combater este flagelo activamente, ajudando realmente os nossos filhos. Ao mesmo tempo que nos assusta, porque passamos a ter consciência da dimensão que o bullying tem, conforta-nos, porque ficamos com a ideia que podemos fazer alguma coisa. Aconselho vivamente a quem tem filhos na escola!

P.S. Garanto que não estou a receber nada pela publicidade!


Mensagens populares deste blogue

O Espelho

Em pequena fui protectora das minorias, dos mal-tratados e dos ofendidos. Costumava juntar-me à mais gorda ou mais feia da turma, aquela menina com quem toda a gente gozava e com quem ninguém gostava de ser visto. Tratava melhor os que eram desprezados e tinha uma atenção especial para com quem levava mais reguadas. Ainda sou um bocado assim, porém não tanto, porque as pessoas  que eu considerava minorias me foram mostrando tantos lados das suas personalidades que deixei de as ver apenas como mal-tratadas, ofendidas e carentes de protecção. Percebi, ao longo dos anos, que somos muito mais do que aquilo que aparentamos. E ainda bem, digo-o hoje.
Olhando para trás, penso que talvez o fizesse por pena de as pessoas não terem as mesmas atenções que os outros, ditos populares, e como que para compensar os males que lhes faziam. 
Olhando depois para dentro de mim, penso que também agia daquela forma para desviar os olhares das minhas próprias fragilidades. Se eu protegesse outros, sentir-me…

Afectos e machismo

Temos um PR adorado pelos seus abraços e beijinhos;Temos um acórdão do Tribunal da Relação do Porto que cita a Bíblia para desculpar a violência doméstica exercida sobre uma mulher adúltera.

Proponho o seguinte exercício: - Imaginar que o PR era uma mulher que investia em abraços e beijinhos aos populares; - Imaginar que o acórdão desculpava a violência doméstica exercida sobre um homem adúltero.
Que resultado obteríamos deste exercício? Calculo que surgiria a teoria de que a PR seria uma promíscua, carente de afectos, ou que se estaria a "atirar" a todo homem que lhe aparecesse à frente...Calculo que o homem agredido seria achincalhado por permitir sofrer violência doméstica por parte de uma mulher e que, em simultâneo, seria perdoado do adultério, tanto por ter uma mulher violenta, quanto por ter "carne fraca"... Enquanto condicionarmos a nossa avaliação das situações pelos géneros dos intervenientes, estaremos sempre em desigualdade. Enquanto não conseguirmos separar c…