sábado, 20 de julho de 2013

Estranho...

Estranho é pensar que todos nascemos. Viemos de um parto. Pequeninos e indefesos saímos de dentro dos corpos das nossas mães. Pelas vaginas das nossas mães. Saímos sem pruridos, sem pudor, sem aspirações... Saímos só. Zás! Nus e crus viemos ao mundo. Bebés, frágeis, a choramingar... 

Estranho é pensar que certas pessoas também nasceram e deixaram tudo isso lá para trás. Pensar que perderam a consciência do nascer, que se tornaram máquinas de tão civilizadas. Deixaram o instinto, a pureza, a inocência lá bem longe no acto de nascer. Perderam o bom que é ser animal e selvagem. Perderam a liberdade de se desprenderem do certinho e aceitável, do bem-compostinho, do que nos é incutido pela civilidade, do que nos amarra a estereótipos e nos faz morrer.

Estranho é pensar que nascer e morrer estão tão próximos quanto distantes...

1 comentário:

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...