domingo, 4 de novembro de 2012

Mãe, Tu Já Tiveste Um Cancro?

Pela primeira vez, o J. fez-me esta pergunta directamente e eu respondi-lhe tão directamente quanto ele perguntou:
- Já!

Já tínhamos falado, anteriormente, sobre cancros, especialmente sobre o da mama que é o mais divulgado na televisão. Também já tínhamos falado sobre a cicatriz que tenho no pescoço e que foi feita por me terem retirado um gânglio para análise. 

Ontem à noite, nas nossas conversas pré-sono, ele quis saber mais. 
- Onde? - perguntou.
- No sistema linfático. Tive um linfoma.
- Toda a gente tem? 
- O quê?
- Sistema linfático.
- Sim.
- E o que é?
- É tipo o sistema circulatório, só que lá circula a linfa, que tem as defesas do organismo, os glóbulos brancos.
- E onde está?
- Circula por todo o corpo.
- Como soubeste que tinhas um cancro?
- Apareceram-me umas bolinhas no pescoço. Uns gânglios maiores do que o costume.
- Onde é que há mais cancros?
- No pulmão, nos intestinos, na mama, no fígado, no pâncreas. Há quase em todo o corpo.
- E no mamilo?
- É o da mama, que pode aparecer no mamilo.
- E no coração?
- Acho que também pode haver tumores no coração, mas penso que só aparece quando são metástases. Ou seja, quando um outro cancro se espalha pelo corpo e aparece também no coração.
- Conheces mais alguém que tenha tido cancro?
- Sim, a avó B. teve no pulmão e no intestino.
- E linfoma, conheces mais alguém que tenha tido um?
- Sim, a tua outra avó B.
- Hummm!

E resolveu dormir, nada preocupado, pois o cancro é doença corriqueira nesta família!
Valha-nos isso, a não preocupação dele, e ainda estarmos cá todas para lhe contarmos as nossas histórias de doentes oncológicas!

14 comentários:

  1. deixo umas modestas palavras para este teu post...

    BEM HAJA... por cá estarem e por partilhares o teu exemplo de mãe... e de amor com a vida...!!

    Bom Domingo
    bj...nho

    ResponderEliminar
  2. Mammy, sabes bem que ele absorveu tudo o que lhe disseste e vai-te perguntar mais coisas. Cancro também é doença que abunda na minha família, infelizmente, e não conto escapar à tradição, por muito fria que eu possa soar agora. Aliás, essa é uma das minhas razões para eu não visitar mais vezes os médicos: tenho receio das más notícias. E também tenho consciência que esta é a pior atitude que alguém minimamente informado pode ter nos dias de hoje.

    ResponderEliminar
  3. Sérgio Figueiredo,

    Obrigada pelas modestas, mas calorosas palavras.

    Um bom resto de domingo também para si(ti?).
    Bjs

    ResponderEliminar
  4. Pseudo,

    E eu cá estarei (espero :)) para lhe responder!
    Olha, que fazes mesmo mal em não visitares os médicos de vez em quando. O cancro é muito mais fácil de tratar quando está numa fase inicial.
    O meu tinha mais ou menos um ano, quando foi descoberto. E passados 6 anos, ainda por aqui ando.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Estão e estarão, aos 28 anos foi-me detectado um sarcoma num braço, tenho uma cicatriz ao longo de todo o antebraço, fiz cobalto etc e tal e ainda por cá ando, para a incredulidade de alguns, ainda tive filhos depois disso, já tenho netos e já fiz muitas primaveras,mesmo muitas:):):)

    ResponderEliminar
  6. Maria Teresa,

    E vai fazer muitas mais!
    :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Espero nunca vir a passar por isso, mas infelizmente tb existe na minha família com alguma frequência mas eu procuro ir ao médico anualmente para alguns exames. Beijos e boa semana.

    ResponderEliminar
  8. claro... ti, sem interrogação.

    não consigo vestir o formalismo... aperta-me.

    Bom Domingo
    bj...nho

    ResponderEliminar
  9. Dreams,

    E fazes tu muito bem!
    Penso que quase todas as famílias têm, pelo menos, um caso de cancro.
    É a doença do século. :(((
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Sérgio Figueiredo,

    Ok, assim seja!
    Bjs

    ResponderEliminar
  11. Mammy, ainda hoje li um artigo exactamente sobre a tendência que os pais têm para esconder questões de dinheiro e saúde aos filhos, dourando um mundo, em nome de protegê-los, mas que acaba por ter um efeito pernicioso no longo prazo.

    Acho que a forma como apresentaste a questão, de forma directa, sem rodeios, mas sem seres dura, vai ser muito benéfica para o J. ao longo da sua vida!

    ResponderEliminar
  12. Naná,
    Assim espero, Naná, assim espero!
    Nunca sabemos se estamos a fazer bem ou da melhor forma, vamos tentando o nosso melhor, e depois, só o tempo dirá se estávamos certas!
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Que coragem! Parabéns, mereces tudo de bom.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  14. Helena,
    Não sei se foi coragem, mas, como sou pela verdade, arrisquei.
    Vamos é ver se conseguirei estar à altura para lhe responder a próximas perguntas sobre este assunto.
    Beijinhos e obrigada.

    ResponderEliminar

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...