quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Portugueses e o Dinheiro

Imagem retirada da Internet

Portugal divide-se por dois grandes grupos e dois pequenos grupos.
Os dois grandes grupos são: 
- O dos portugueses que têm orgulho em não ter dinheiro;
- O dos portugueses que têm vergonha em não ter dinheiro.

O português-tipo do "grupo dos que têm orgulho em não ter dinheiro" exige tudo a todos os outros: ao Estado, ao pai, à mãe, ao primo afastado que está emigrado na Suíça, ao vizinho do lado, ao cão, ao periquito...
Verbaliza: "se eu não tenho dinheiro, quem tem é obrigado a sustentar-me"; "eu tenho direitos!" (e obrigações, não?).

Esta conversa pode parecer-vos um pouco "fascistolas", mas não é! Longe de mim querer, sequer, aproximar-me de tal ideologia!

Eu explico para evitar equívocos:
É por tanta gente exigir direitos, sem nada fazer para os merecer, que a divisão da riqueza é tão deficiente neste país. É por existir gente que se abotoa e se "encosta à sombra da bananeira" que quem realmente precisa fica em carência. É por existir tanta contra-produção, vestida de um exacerbado direito de ter e de poder, que sair deste rame-rame é um acto falhado.
Este português, porta-estandarte da ideologia do "eu tenho direito a isto e àquilo, porque sou pelintra e quero tudo de mão beijada", mata, à nascença, o que poderia ser um trabalho em conjunto para o conjunto.

Nunca, jamais e em tempo algum, direi que um português não tem direito a todos os direitos que lhe são legítimos! No entanto, terá que fazer alguma coisa para isso, nem que seja, apenas, esforçar-se por fazer alguma coisa (que nos dias de hoje, já é trabalho de merecido mérito, porque é extremamente difícil arranjar emprego e porque há quem tente boicotar tudo o que os outros tentam fazer!).

Por outro lado, o português-tipo do "grupo dos que têm vergonha em não ter dinheiro" também não é melhor.
A vergonha enche-o de desejos de grandiosidade. Quer tudo o que faça aparecer aos outros que nada diariamente numa piscina cheia de moedas: Quer a casa com 50 divisões; o carro-banheira; os cartões de crédito em tons de dourado com ""Eng." ou "Dr." a preceder-lhe o nome; o cão de raça, cuja trela não consegue aguentar; a escola, que obrigue o uso da farda, para os filhos; o telemóvel, que o avise quando deve ir à casa-de-banho ou que lhe diga que "afinal, não está assim tão aflitinho"; ser atendido num hospital luxuoso, onde haja quartos individuais, mas não há quem se lembre de lhe vir mudar a garrafa do soro, etc., etc...
Este português inveja um outro português, que virá, a seguir, e que pertence a um grupo mais pequeno, mas não menos expressivo no que diz respeito ao assassínio da divisão justa e igualitária da riqueza. Por causa desta inveja que sente, produz menos e exige mais numa tentativa de sustentar a aparente riqueza.

Por fim, temos dois grupinhos pequeninos de portugueses:
- O dos que têm dinheiro, com muito orgulho;
- O dos que se estão a cagar para o dinheiro.

O português-tipo do "grupo dos que têm dinheiro com muito orgulho" é petulante e arrogante. Atira à cara, sempre que pode, dos elementos dos restantes grupos que "quer, pode e manda"; amealha todas as moedinhas que apanha a cair dos bolsos dos outros e junta-as à sua enorme fortuna; inventa estratégias para multiplicar cada tostão e para se apoderar do que é dos outros; esmifra o adversário até ao tutano; usa e abusa de quem não o consegue enfrentar ou quem, pura e simplesmente, não o quer enfrentar, por medo ou por inveja disfarçada de admiração.
O grande problema deste português é que, normalmente, além de dinheiro, ou talvez associado ao dinheiro, também tem poder, que usa, única e exclusivamente, a seu bel-prazer.

At last, but not least, encontramos o português-tipo do "grupo dos que se estão a cagar para o dinheiro". Este português desejava não ser necessário ter dinheiro. Quer o necessário para usufruir em pleno do que a vida tem para lhe oferecer, nem mais, nem menos. Produz para viver, mas não vive para produzir, muito menos para amealhar ou exibir. Não quer o que não lhe pertence, nem pretende dar o que é seu. Divide os excedentes, mas não sustenta gulosos.

Porque não tem dinheiro, nem a mais nem a menos, orgulho, inveja ou vergonha, este português-tipo é desconsiderado por todos os tipos anteriores e, devagarinho (mas nem tanto assim), vai-se extinguindo como se da Grande Barreira de Coral se tratasse, consumida pela poluição e pelas águas quentes demais.

8 comentários:

  1. Mammy, este texto está para lá de excelente!

    Muito bom mesmo!

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, Naná!
    Bjs

    Um dia, Tanita.
    Bjs

    ResponderEliminar
  3. Muito bom este texto sem duvida. Muitos parabéns, era realmente genial se o dinheiro não fosse necessário,mas acho isso pouco provável.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Que belíssima apresentação, esquematiza magistralmente a relação que cada um de nós tem com a "massaroca".
    Abracinho meu!

    ResponderEliminar
  5. Obrigada, Maria Teresa! :)
    Abracinho meu também!

    ResponderEliminar
  6. Pois é, a nossa relação com o dinheiro é complicada e difícil, dado que vivemos numa sociedade em que necessitamos dele para tudo, e ele se torna cada vez mais escasso.

    Talvez voltemos às trocas praticadas nas sociedades ancestrais...Parece que já existem vários movimentos de cidadãos a promover esse tipo de "comércio".

    Beijinho

    ResponderEliminar

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...