domingo, 24 de junho de 2012

Da Desilusão

Há pessoas que, cremos uma vida inteira, são de determinada maneira...
Ao fim de uns anos, por uma razão qualquer, aparentemente sem importância, apercebemo-nos que não são como pensávamos. Todos os ideais que defendiam são desacreditados pelas suas acções. Vendem-se em troca de fatinhos jeitosos, de pequenos luxos, de uma imagem que não era a que tínhamos delas. Juntamos frases soltas, ditas por elas com toda a convicção do mundo que, a partir de agora, deixam de fazer sentido. Elas já não são o que eram... ou nunca foram o que eram... 
E hoje revelam-se... e a mentira é mais forte do que a verdade em que acreditávamos... A desilusão instala-se com tanta força que começamos a duvidar se alguma vez conhecemos aquelas pessoas, se aquelas são as mesmas pessoas que, um dia, gostámos por serem daquela maneira, da maneira que nós pensávamos que eram.
A desilusão deixa um travo amargo na boca... Faz-nos proferir palavras amargas e rejeitar quem amamos...
Mas a desilusão não é culpa delas, é nossa! Porque fomos nós que as imaginámos diferentes, fomos nós que acreditámos na sua mentira!

5 comentários:

  1. qualquer desilusão deixa um amargo na boca, e se expectamos muito de alguém ainda pior
    kis .=)

    ResponderEliminar
  2. Mammy, estou cada vez mais convicta de que a verdade sempre esteve à nossa vista, nós é que não vimos bem como deve ser... pelo menos comigo é assim!
    As desilusões estilhaçam os nossos corações em pequeninas doses...

    ResponderEliminar
  3. Talvez tenha estado à vista em pequenos actos, talvez...
    Mas que custa ver a reviravolta, custa!
    Beijinhos às duas!

    ResponderEliminar
  4. Há gente para tudo e a realidade é que devemos ter cuidado.

    ResponderEliminar
  5. Oxygen,
    Quando as pessoas nos são próximas, é difícil ter-se cuidado!
    Bjs

    ResponderEliminar

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...