terça-feira, 18 de outubro de 2011

"Gatossoa"


Como já disse anteriormente, temos um gato em casa. Tal como os restantes membros desta família, o nosso gato não é um gato normal. Ele pensa que é uma pessoa e eu começo a duvidar se ele não estará certo...

O felino mais novo cá de casa (porque o mais velho sou eu, que sou Gato no signo chinês) adora comida de gente, olha-nos como se percebesse perfeitamente do que estamos a falar e comporta-se como um menino mimado quando não lhe damos atenção...

Tenho-me visto, literalmente, às aranhas com ele, pois inferniza-nos a vida de tal maneira que nos tira do sério em milésimas de segundo. Se está descontente com alguma coisa, desata a fazer asneiras compulsivamente, umas atrás das outras e sem nos dar tempo de nos recompormos da anterior. 

Ele é de tal maneira inteligente, que quando pensamos que ele finalmente decidiu seguir o caminho do menino bem-comportado, nos dá a volta com uma pinta incrível e recomeça uma secção de asneiras inesperadas. 

Estou naquele ponto de desespero em que já perguntei a todos os veterinários conhecidos e desconhecidos e a todos os empregados das lojas de animais o que devia fazer para ele atinar, sem, no entanto receber uma resposta que resolvesse a questão. 

O meu último acto de desespero foi comprar um livro sobre o comportamento felino, que se chama Detective de Gatos, cujos conselhos estou a seguir religiosamente. Tenho duas casas de banho para o menino (enquanto nós, que somos três, temos uma e dividimo-la entre nós); escondo a comida dele em vários sítios diferentes, para que o menino não se entedie e se entretenha a procurar a comida (simulando o acto de caçar da vida selvagem); tenho dezenas de brinquedos de gato espalhados pelo chão e tenho que esconder qualquer prato com comida no microondas ou no forno, cada vez que saio da cozinha.

Depois desta trabalheira toda, se ele não muda, já não sei o que lhe fazer... Ainda por cima, o pessoal cá de casa está sempre a agoirar e a dizer "achas mesmo que isso vai fazê-lo mudar? Este gato já não muda, vais ver!".
Se todo o meu trabalho e empenho não servir de nada, juro que levo o gato ao psicólogo e aproveito para me tratar também, pois sei que no final, eu não vou estar muito melhor do que ele. 

Parece um anjinho, não parece?

3 comentários:

  1. O que adorei este post. Lindo o teu gato e com uma personalidade bem forte, talvez tenha saído a ti :) e adorei a frase "como os restantes membros desta família, o nosso gato não é um gato normal". Sabes? eu também acho que a minha familia não é normal, ainda bem que não temos gato, porque senão tería de gastar dinheiro em psicólogos e os tempos agora de crise não o permitem :)
    Beijo e boa terça.

    ResponderEliminar
  2. E porque não o aceitas como é? pela foto parece novinho, é traquinas como qualquer criança e olha que há crianças terriveis, com a idade ele acalma, passei mesma experiência com uma canina, ja fiquei várias vezes sem o jantar, ela engolia tudo o que via, ainda hoje é desobediente mas já não faz estragos, há animais mais independentes que outros

    paciência e beijinho

    ResponderEliminar
  3. Felina,
    Eu aceito-o como é, mas não posso permitir que faça xi-xi pela casa toda (apesar de já estar castrado), que me parta loiça, porque a atira para o chão, que ataque o meu filho ou que me morda as pernas...
    O que tento fazer é perceber o que o faz sentir mal e dar-lhe a segurança necessária para que ele se sinta bem e deixe de fazer estas coisas.
    Não o quero mudar, apenas quero que não torne a nossa vida num inferno!

    E o problema dele (se é que eu estou a conseguir entendê-lo) não é ser independente, mas o contrário, ele é demasiado dependente de mim e tem ciúmes do pessoal cá de casa, quer a minha atenção só para ele, por isso faz tanta asneira.

    Espero que ele seja como a tua e acabe por acalmar com a idade!;)


    Beijinhos

    ResponderEliminar

Vá lá, digam qualquer coisinha...
...por mais tramada que seja...